Marxismo, psicanálise, revolução, por Christian Dunker, Heribaldo Maia e Jones Manoel (org)

R$53,00

[ESGOTADO – NOVA TIRAGEM DISPONÍVEL A PARTIR DE DEZEMBRO – ENVIOS POSTERIORMENTE]

Na sociedade capitalista, atravessada por contradições brutais e inconciliáveis, a revolução coloca-se como um imperativo lógico e histórico. Contudo, como dizia o poeta Bertolt Brecht, a revolução é um ato extremamente simples e, por isso mesmo, dificílimo. Assim sendo, pensar as condições de possibilidade para a ação coletiva revolucionária sempre foi uma tarefa teórica fundamental – especialmente levado em conta as amarras que o capitalismo cria para restringir o potencial revolucionário das massas, neutralizando ou transformando forças possivelmente transformadoras em energias reacionárias.

Tendo em contra esse desafio, Wilhelm Reich dizia que a verdadeira questão não é explicar por que as revoluções acontecem. Com efeito, a questão sobre a qual realmente deveríamos refletir é: por que as revoluções não acontecem com maior frequência? Não seria demais dizer que essa reflexão é fundante para uma improvável, porém rica, tradição teórica – o freudo-marxismo – que busca pensar justamente sob tal prisma, investigando o modo pelo qual o capitalismo produz e reproduz sujeitos submissos ao capital de maneira voluntária e que, de certa forma, desejam sua própria servidão, impedindo assim o potencial revolucionário das massas, desorganizando-as e transformando-as em meros aglomerados de indivíduos subjugados.

É no bojo dessa tradição que a LavraPalavra lança, sob a organização de Christian Dunker, Heribaldo Maia e Jones Manoel, uma coletânea de textos de diversos autores e autoras e a transcrição de um debate entre os organizadores, o livro Marxismo, Psicanálise, Revolução: uma obra que visa debater a intersecção tensa, mas criativa, entre essas tradições (o marxismo e a psicanálise) para pensar de modo crítico e integral (à luz das necessidades do corpo como das necessidade do espírito, como dizia Marx) os desafios e potenciais que temos diante de nós para o cumprimento dessa grande tarefa de nosso tempo: a revolução comunista.

224 páginas

Com artigos de Daniel Figueiredo, Dalila Viana de Freitas, Thessa Guimarães, Raoni Machado M. Jardim, Christian Ingo Lenz Dunker, Jones Manoel, Filipe Campello, Heribaldo Maia e Gustavo Nassar Gaiofato.

Capa: Catherine Calognomos

Descrição

[ESGOTADO – NOVA TIRAGEM DISPONÍVEL A PARTIR DE DEZEMBRO – ENVIOS POSTERIORMENTE]

Na sociedade capitalista, atravessada por contradições brutais e inconciliáveis, a revolução coloca-se como um imperativo lógico e histórico. Contudo, como dizia o poeta Bertolt Brecht, a revolução é um ato extremamente simples e, por isso mesmo, dificílimo. Assim sendo, pensar as condições de possibilidade para a ação coletiva revolucionária sempre foi uma tarefa teórica fundamental – especialmente levado em conta as amarras que o capitalismo cria para restringir o potencial revolucionário das massas, neutralizando ou transformando forças possivelmente transformadoras em energias reacionárias.

Tendo em contra esse desafio, Wilhelm Reich dizia que a verdadeira questão não é explicar por que as revoluções acontecem. Com efeito, a questão sobre a qual realmente deveríamos refletir é: por que as revoluções não acontecem com maior frequência? Não seria demais dizer que essa reflexão é fundante para uma improvável, porém rica, tradição teórica – o freudo-marxismo – que busca pensar justamente sob tal prisma, investigando o modo pelo qual o capitalismo produz e reproduz sujeitos submissos ao capital de maneira voluntária e que, de certa forma, desejam sua própria servidão, impedindo assim o potencial revolucionário das massas, desorganizando-as e transformando-as em meros aglomerados de indivíduos subjugados.

É no bojo dessa tradição que a LavraPalavra lança, sob a organização de Christian Dunker, Heribaldo Maia e Jones Manoel, uma coletânea de textos de diversos autores e autoras e a transcrição de um debate entre os organizadores, o livro Marxismo, Psicanálise, Revolução: uma obra que visa debater a intersecção tensa, mas criativa, entre essas tradições (o marxismo e a psicanálise) para pensar de modo crítico e integral (à luz das necessidades do corpo como das necessidade do espírito, como dizia Marx) os desafios e potenciais que temos diante de nós para o cumprimento dessa grande tarefa de nosso tempo: a revolução comunista.

224 páginas

Com artigos de Daniel Figueiredo, Dalila Viana de Freitas, Thessa Guimarães, Raoni Machado M. Jardim, Christian Ingo Lenz Dunker, Jones Manoel, Filipe Campello, Heribaldo Maia e Gustavo Nassar Gaiofato.

Capa: Catherine Calognomos

Informação adicional

Peso 0.440 kg
Dimensões 14 × 21 × 2 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Marxismo, psicanálise, revolução, por Christian Dunker, Heribaldo Maia e Jones Manoel (org)”